SMO Talks – “Novas abordagens para o olho seco”

No dia 06 de junho, quinta-feira, às 19h30, a Sociedade Mineira de Oftalmologia (SMO) realiza a segunda edição de 2024 do SMO TALKS! O evento conta com o apoio do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), Associação Médica de Minas Gerais (AMMG) e Bausch+Lomb.

O evento tem como tema “Novas abordagens para o olho seco“, e será realizado em comemoração ao lançamento do Artelac Splash, da Bausch+Lomb. Teremos duas palestra sobre o assunto com o nosso Presidente, Dr. Breno de Mello, e com nosso associado, Dr. Marcus Vinicius Souza, além de mediação do Dr. Luiz Carlos Molinari.

O evento é aberto a toda comunidade médica e será transmitido ao vivo através da plataforma ZOOM.  Participe através do LINK. Não perca!

No dia 04 de outubro, quarta-feira, às 19h30, a Sociedade Mineira de Oftalmologia (SMO) realiza mais uma edição do SMO TALKS! O evento conta com o apoio do Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), Associação Médica de Minas Gerais (AMMG) e Abbvie.

Teremos uma palestra com nossos associados, Dr. Marcus Vinicius Souza e Dr. Breno de Mello, falando sobre “Como abordar o Olho Seco“, com mediação do diretor da SMO, Dr. Luiz Carlos Molinari.

O evento é aberto a toda comunidade médica e será transmitido ao vivo através da plataforma ZOOM.  Participe através do LINK. Não perca!

 


Confira como foi:

Doença afeta milhares de brasileiros e pode levar a problemas mais sérios da visão

Você já sentiu aquela sensação de olho seco, provocando muitas vezes dores e a sensação de areia ao enxergar? Julho é lembrado como o mês do ‘Olho Seco’ e a sede da Associação Médica de Minas Gerais é iluminada de azul, alusivo a cor turquesa que celebra o tema. Em parceria com a Sociedade Mineira de Oftalmologia (SMO), a campanha tem como objetivo alertar e combater uma doença que atinge 18 milhões de brasileiros, segundo a Associação Brasileira de Portadores de Olho Seco (APOS), o que representa entre 13 e 24% da população no país que sofrem com alterações na produção de lágrimas. Essa é uma condição relativamente comum, caracterizada por composição anormal do filme lacrimal e inflamação da superfície ocular. Estima-se uma prevalência mundial estimada de 5% a 50%.

De acordo com o diretor da SMO e da AMMG, Luiz Carlos Molinari Gomes, isso inicia um ciclo vicioso de inflamação e dano da superfície ocular que pode prejudicar a qualidade de vida e a visão dos pacientes afetados. “Muitos fatores podem contribuir para o desenvolvimento da doença, incluindo as doenças oculares e sistêmicas, o uso de medicamentos tópicos e sistêmicos, as condições ambientais, o uso de lentes de contato, a má qualidade do ar, o tabagismo, a história médica pregressa, a poluição e pós operatórios de cirurgia oculares.”

Molinari explica que é uma causa comum de visita ao oftalmologista, afetando mais mulheres que homens, associada a sintomas como visão borrada, desconforto ocular e sensação de ressecamento. Dentre os sintomas estão: ardor, irritação, sensação de areia nos olhos, dificuldades para ficar em lugares com ar-condicionado ou em frente ao computador, olhos embaçados ao final do dia, coceira, vermelhidão, lacrimejamento excessivo e sensibilidade à luz.

O especialista explica que pelo fato do distúrbio ser crônico, o tratamento geralmente é de longo prazo e pode utilizar intervenções farmacológicas e não farmacológicas para abordar todos os componentes etiológicos. “O gerenciamento a longo prazo pode ser desafiador e, na maioria das vezes, deve envolver o encaminhamento de um oftalmologista. No entanto, os médicos de cuidados primários são, frequentemente, os primeiros a atender os pacientes com a doença e, de maneira importante, fornecem diagnóstico inicial e educação preliminar do paciente sobre o processo da doença. Eles devem considerar a prescrição de medicamentos com menos efeitos na superfície ocular sempre que possível em pacientes com risco ou com doença de olho seco existente.”

O diretor reforça que o manejo bem sucedido da doença do olho seco geralmente requer o uso de várias terapias farmacológicas e/ou não farmacológicas, bem como modificações ambientais e de estilo de vida, para mitigar as etiologias subjacentes e restaurar a homeostase do filme lacrimal. “O problema pode estar ligado a outros fatores como o uso exagerado de tecnologias como smartphones e computadores.” Além disto, o médico afirma que a expectativa de vida aumentou, expandindo as doenças crônicas, deficiência de vitaminas e a ingestão de medicamentos diuréticos, antidepressivos e anti-histamínico. Ele alerta ainda para a necessidade de procurar um médico oftalmologista para obter um diagnóstico correto e identificar as causas da doença.

A Doença do Olho Seco é um dos diagnósticos mais prevalentes nas clínicas de oftalmologia. Recentemente, foi reconhecida como um problema de saúde pública global, pois traz muitas consequências, desde restrições às atividades de vida diária até custos econômicos de abordagem. Os estudos epidemiológicos dos Estados Unidos identificaram a condição em 5%–30% da população, o que a torna mais prevalente que o diabetes (10,5% da população dos EUA), doenças cardíacas (7% da população dos EUA) e câncer (3% da população dos EUA). É uma doença multifatorial do filme lacrimal pré-ocular com possível dano à superfície ocular. Os sintomas de olho seco variam de simples irritação transitória a desconforto persistente, fadiga, distúrbio visual e instabilidade do filme lacrimal.

Além disso, descobriu-se que sintomas oculares graves estavam associados a dificuldades no funcionamento social, físico e mental. Várias implicações socioeconômicas podem resultar de sintomas de olho seco, como aumento dos custos com cuidados de saúde e diminuição das medidas de qualidade de vida, como dirigir, assistir televisão, usar telefones celulares, ler, trabalhar no computador e bem-estar emocional. O tratamento do olho seco nos EUA foi estimado em US$ 700.000 por milhão de pacientes. Além disso, o custo anual total relatado varia de US$ 270.000 na França a US$ 1,10 milhão no Reino Unido por 1.000 pacientes.

No século 21, muitos comportamentos ambientais se desenvolveram, incluindo o tabagismo e a disseminação de tecnologias como smartphones e computadores. Além disso, a expectativa de vida humana média aumentou e, assim, as doenças crônicas e a ingestão de medicamentos se expandiram. Esses fatores podem ter sido atribuídos ao aumento da porcentagem da síndrome do olho seco em todo o mundo.

Fatores ambientais como poluição, clima e níveis de umidade estiveram ausentes em todos os estudos incluídos nesta revisão sistemática. No entanto, eles foram relatados em outros estudos. Além disso, outros fatores comprovadamente têm uma correlação com o Olho Seco como ômega3, doenças do tecido conjuntivo, radioterapia e deficiência de vitamina A não foram avaliadas.

O sexo feminino parece ser o fator de risco mais eficaz e isso é apoiado por muitos estudos. A alta prevalência de Olho Seco entre as mulheres pode estar relacionada aos efeitos hormonais nos quais os hormônios sexuais, especialmente os andrógenos, afetam as glândulas lacrimais, glândulas meibomianas, densidade de células caliciformes conjuntivais e sensibilidade da superfície ocular. No entanto, dois estudos não encontraram qualquer ligação entre sexo e Doença do Olho Seco, mas sua pesquisa foi restrita a idosos, quando os níveis de andrógenos são baixos em ambos os sexos.

Embora a idade tenha sido significativa apenas em 3 estudos, muitos estudos anteriores relataram sua implicação, pois com o envelhecimento a função da glândula lacrimal reduz e, portanto, aumenta os sintomas de olho seco. Por outro lado, prevalência semelhante entre os jovens em comparação com idosos pode estar associada ao uso de lentes de contato, aumento do uso de computadores e smartphones e cirurgias refrativas, todas associadas ao Olho Seco em muitas pesquisas. Além disso, doenças sistêmicas da população de idade avançada e declínio da sensibilidade ocular podem fazer com que eles subestimem a secura ocular. Os achados dessa revisão sistemática foram consistentes com outros estudos sobre lentes de contato e importância do uso do computador. Um estudo realizado na Austrália não mostrou associação entre lentes de contato e Doença do Olho Seco. Apesar disso, o tabagismo e o álcool não foram fatores de risco significativos na maioria das pesquisas realizadas; alguns estudos relataram sua significância.

Na categoria doenças, anormalidades da tireoide e hipertensão parecem ser fatores de risco para sintomas de olho seco. Vários fatores considerados no olho seco na doença da tireoide: Exoftalmia, lagoftalmo e fissura palpebral aumentada e essa correlação foi estabelecida em. No entanto, há ambiguidade na relação entre tireoide e Olho Seco na literatura. Em relação à hipertensão, aqueles que foram tratados para hipertensão são mais propensos a desenvolver sintomas de olho seco.

Apesar de apenas um estudo incluído nesta revisão ter provado a significância entre medicamentos para hipertensão e Olho Seco, isso foi relatado no estudo de saúde do médico. O diabetes mellitus não foi considerado fator de risco nesta revisão sistemática, o que pode ser explicado pelos resultados de um estudo recente no qual revelou que 65,3% dos diabéticos apresentam neuropatia periférica e redução da sensibilidade corneana leve a grave, os fez subestimar seus sintomas de olho seco. No entanto, o estresse e a artrite não foram comprovados como fatores de risco fortes nesta revisão, muitos estudos demonstraram sua forte correlação com os sintomas de olho seco.

Antidepressivos e anti-histamínicos foram os indicadores mais fortes para sintomas de Olho Seco na categoria de medicamentos. O antidepressivo apresentou-se para aumentar o risco de Olho Seco e é apoiado por outros estudos. O epitélio conjuntival humano contém receptores muscarínicos e adrenérgicos, portanto, há credibilidade biológica de que os medicamentos antidepressivos afetam a superfície ocular. Da mesma forma, anti-histamínicos e esteroides foram associados ao olho seco e muitos estudos estabeleceram esses resultados.

Portanto, o reconhecimento precoce e a prevenção são importantes para reduzir a carga de consequências do olho seco. Por exemplo, a prevenção primária por meio da educação e da eliminação dos fatores de risco pode melhorar os sintomas. Assim, pode reduzir problemas emocionais, psicológicos e funcionais desnecessários.

Atualmente, há uma falta de conhecimento sobre os fatores de risco mais importantes para a secura ocular. Este problema está se tornando importante em todo o mundo, especialmente com o aumento do uso de tecnologia, smartphones, computadores e lentes de contato. Sexo feminino, lentes de contato, uso de computador, anormalidades da tireoide, hipertensão, antidepressivo e anti-histamínico foram identificados como os fatores de risco mais fortes e comuns para a Síndrome do Olho Seco.

A Síndrome da Disfunção lacrimal, ou mais comumente chamado, o “Olho Seco” está diferente.  Se antes era uma doença mais rara e prevalente principalmente em mulheres de meia idade, ultimamente vem se tornando muito comum nos consultórios oftalmológicos em todo o mundo e inclusive no Brasil. As causas desta mudança não são totalmente claras, mas suspeita-se que o uso abusivo de tecnologias tais como telas de computadores e celulares de forma extensiva possa ser atribuída. A razão para isto seria decorrente do baixo ritmo de piscadas observada durante o uso deste equipamentos.

Estudos mostram  que comumente as pessoas tendem a ter este comportamento durante seu uso e supõe-se que esta baixa frequência interfira na produção oleosa do componente lacrimal. A lágrima sabidamente é composta de água, muco, óleo e minerais dissolvidos, sendo a oleosidade responsável pela proteção contra evaporação. A camada aquosa é produzida pelas glândulas lacrimais e muito raramente são as causas  deste tipo atual de olho seco. A fina mas importante camada oleosa é a mais externa e é produzida pela chamadas glândulas de meibomius, que desembocam seu conteúdo na borda palpebral de maneira suave a cada piscada. Portanto, piscar pouco libera uma menor quantidade deste produto e com o tempo isto vai se tornando constante.

Muitas pessoas tem seu trabalho totalmente ligado ao uso de telas e sua produtividade depende da velocidade durante seu uso, ficando atividades fisiológicas como piscar, olhar para longe, movimentar o corpo, beber água etc. gradativamente esquecidas. Muitos desconhecem estes riscos e se concentram fortemente em seus trabalhos, não tendo consciência das possíveis consequências dos maus hábitos que a vida moderna impõe.

Os computadores, assim como os celulares, exercem um verdadeiro fascínio sobre seus usuários e se tornaram essenciais nas nossas vidas. Uma lágrima sem uma boa camada oleosa se torna fraca e desequilibrada e não cobre a primeira lente dos olhos, que é a córnea, de maneira eficiente. A córnea por sua vez se torna progressivamente mais ressecada, podendo alcançar níveis preocupantes, mas de maneira variável.

Alguns tem sintomas bem claros tais como ardor, sensação de ciscos, vermelhidão leve, intolerância à luminosidade e coceira, mas outros podem  ter olho em pior estado sem tais queixas e esta paradoxalidade deixa confusos os pacientes e médicos. Também causa estranheza o fato de muitos sentirem que tem olhos secos e que lacrimejam. O lacrimejamento também pode ser uma queixa de olho seco porque a camada aquosa está presente mas a camada oleosa que a protege evapora rápido. Isto permite que a córnea fique despida da sua proteção e envia um sinal ao cérebro interpretado como ardor, que por sua vez envia um sinal para a glândula lacrimal para aumentar sua produção.

Mais recentemente, graças a chegada de novas tecnologias e exames, tais como osmolaridade lacrimal e testes imunológicos buscando detectar a presença de compostos inflamatórios presentes na lágrima de portadores de olhos secos vêm ajudado os oftalmologistas a detectarem mais facilmente sua presença. O diagnóstico pode no entanto ser mesmo assim desafiador.

Nos últimos anos temos observado “Olho Seco” em pacientes bem mais jovens, com algumas destas queixas e surpreendentemente muitas vezes nenhum sinal ocular pode ser detectado. Ambos os sexos estão suscetíveis e estes pacientes ainda não chegaram à idade em que as doenças degenerativas começam a mostrar seus incômodos. A causa nestes casos é atribuída ao adormecimento destas glândulas pela baixo número de piscadas e não ao envelhecimento natural. A camada aquosa que é produzida pelas glândulas lacrimais está normalmente presente mas a oleosa está deficiente.

Um outro aspecto decorrente do “Olho Seco” seria a intolerância às lentes de contato gelatinosas que vem progressivamente se tornando cada vez mais frequentes. Muitos já não toleram simplesmente usá-las o dia todo. A lentes  de contato hidrofílicas (gelatinosas) necessitam da umidade da lágrima para se manterem macias e confortáveis. Fora dos olhos, em poucos minutos estarão completamente secas e olhos secos não toleram uma competição pela lágrima. Assim, um tratamento para este problemas precisa ser instituído.

Após a realização de exames para diagnose, o alvo inicial é o tratamento das glândulas de meibomius, e atitudes como trocas mais frequentes das lentes com seu uso reduzido e uso de lubrificantes não preservados para muitos casos não são suficientes. O alvo terapêutico esta claro: é necessário que as glândulas de meibomius voltem ao seu estado natural e liberem sua oleosidade tornando a lagrima eficiente.

O “Olho Seco” precisa ser tratado e este tratamento visa também recuperar a função palpebral e de suas glândulas. Ate há poucos anos seu tratamento era tentado às custas de compressas quentes e massagem palpebral, e no caso de infecções com o uso de antibióticos e anti-inflamatórios por tempo prolongado, sendo portanto taxados de incômodos e pouco eficazes.

O uso de lubrificantes faz parte da base assim como uso de colírios anti-inflamatórios e ainda adição na dieta de Ômega 3, que pode ser útil para alguns casos onde esse elemento estaria escasso. A boa novidade é que nos últimos 3 anos uma nova terapia vem se mostrando eficiente para se conseguir a estabilidade do filme lacrimal. O “IRPL”  (Luz pulsada regulada intensa) ativa as glândulas de meibomius trazendo a produção oleosa à normalidade sendo bem rápido (cerca de um minuto) e indolor. Após 3 ou 4 sessões é possível que haja uma completa recuperação da camada oleosa e assim ser possível voltar ao uso de lentes de contato e muitas vezes abandonar o uso frequente de colírios lubrificantes.

Estas sessões costumam ser eficientes por até mais de um ano, com uma única sessão anual posteriormente para manutenção, e tem sido apontada como vantajosa a fim de perpetuar seus efeitos benéficos. Não há riscos relacionado ao seu uso e a única contra indicação importante seria pele negra porque impede a passagem da luz para as camadas mais profundas onde estão as glândulas de meibomius.

Os portadores de “Olho Seco” precisam criar maneiras racionais no uso intensivo de telas, tentando se possível diminuir seu uso, ou ao menos criando momentos de descanso e procurando conscientizar que é necessário piscar mais. Além disto, devem evitar a entrada de água nos olhos sob pena de trocarem uma lágrima ainda que deficiente por água, o que seria uma troca desvantajosa. Da mesma forma o uso de soro fisiológico remove a pouca oleosidade ainda existente. Neste caso, lubrificantes são preferíveis ao uso do soro.

 

*Artigo publicado por Leonardo Gontijo – Oftalmologista associado à SMO.

CALENDÁRIO

May 2024
SMTWTFS
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
 
< Apr Jun >