Julho Turquesa alerta sobre Olho Seco

Doença afeta milhares de brasileiros e pode levar a problemas mais sérios da visão

Você já sentiu aquela sensação de olho seco, provocando muitas vezes dores e a sensação de areia ao enxergar? Julho é lembrado como o mês do ‘Olho Seco’ e a sede da Associação Médica de Minas Gerais é iluminada de azul, alusivo a cor turquesa que celebra o tema. Em parceria com a Sociedade Mineira de Oftalmologia (SMO), a campanha tem como objetivo alertar e combater uma doença que atinge 18 milhões de brasileiros, segundo a Associação Brasileira de Portadores de Olho Seco (APOS), o que representa entre 13 e 24% da população no país que sofrem com alterações na produção de lágrimas. Essa é uma condição relativamente comum, caracterizada por composição anormal do filme lacrimal e inflamação da superfície ocular. Estima-se uma prevalência mundial estimada de 5% a 50%.

De acordo com o diretor da SMO e da AMMG, Luiz Carlos Molinari Gomes, isso inicia um ciclo vicioso de inflamação e dano da superfície ocular que pode prejudicar a qualidade de vida e a visão dos pacientes afetados. “Muitos fatores podem contribuir para o desenvolvimento da doença, incluindo as doenças oculares e sistêmicas, o uso de medicamentos tópicos e sistêmicos, as condições ambientais, o uso de lentes de contato, a má qualidade do ar, o tabagismo, a história médica pregressa, a poluição e pós operatórios de cirurgia oculares.”

Molinari explica que é uma causa comum de visita ao oftalmologista, afetando mais mulheres que homens, associada a sintomas como visão borrada, desconforto ocular e sensação de ressecamento. Dentre os sintomas estão: ardor, irritação, sensação de areia nos olhos, dificuldades para ficar em lugares com ar-condicionado ou em frente ao computador, olhos embaçados ao final do dia, coceira, vermelhidão, lacrimejamento excessivo e sensibilidade à luz.

O especialista explica que pelo fato do distúrbio ser crônico, o tratamento geralmente é de longo prazo e pode utilizar intervenções farmacológicas e não farmacológicas para abordar todos os componentes etiológicos. “O gerenciamento a longo prazo pode ser desafiador e, na maioria das vezes, deve envolver o encaminhamento de um oftalmologista. No entanto, os médicos de cuidados primários são, frequentemente, os primeiros a atender os pacientes com a doença e, de maneira importante, fornecem diagnóstico inicial e educação preliminar do paciente sobre o processo da doença. Eles devem considerar a prescrição de medicamentos com menos efeitos na superfície ocular sempre que possível em pacientes com risco ou com doença de olho seco existente.”

O diretor reforça que o manejo bem sucedido da doença do olho seco geralmente requer o uso de várias terapias farmacológicas e/ou não farmacológicas, bem como modificações ambientais e de estilo de vida, para mitigar as etiologias subjacentes e restaurar a homeostase do filme lacrimal. “O problema pode estar ligado a outros fatores como o uso exagerado de tecnologias como smartphones e computadores.” Além disto, o médico afirma que a expectativa de vida aumentou, expandindo as doenças crônicas, deficiência de vitaminas e a ingestão de medicamentos diuréticos, antidepressivos e anti-histamínico. Ele alerta ainda para a necessidade de procurar um médico oftalmologista para obter um diagnóstico correto e identificar as causas da doença.

No mês de abril, especialistas fazem um chamado para o cuidado com a saúde dos olhos. Quem cuida da visão é o médico oftalmologista.

Oftalmologistas chamam a atenção, no mês de abril, para a importância do diagnóstico precoce com a visão e a prevenção à cegueira. O diretor da Sociedade Mineira de Oftalmologia (SMO), Luiz Carlos Molinari Gomes, faz um alerta para que os cuidados com a avaliação, prescrição e tratamentos só podem ser feitos com um médico especialista. “O diagnóstico de doenças oculares e a indicação seja de óculos, lentes de contato ou mesmo medicamentos, devem ser conduzidos pelo profissional formado em medicina e com obtenção do título de especialista na área.”

A Organização Mundial de Saúde (OMS) sugere como ideal a proporção de um oftalmologista para cada 20 mil habitantes. De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), o Brasil concentra mais da metade de todos os oftalmologistas da América do Sul, representando um dos maiores contingentes de especialistas no mundo. Cerca de 480 novos especialistas completam sua formação a cada ano.

Molinari ressalta que, na maioria das regiões, há uma proporção superior ao ideal, garantindo uma situação privilegiada no cenário mundial. “Entretanto, ainda se percebe uma distribuição desproporcional população/médicos entre as regiões. Há um grande número de municípios que contam com atendimento oftalmológico sazonal o que, apesar de não ser ideal, consegue diminuir a demanda reprimida local. As áreas, não cobertas regularmente por médicos oftalmologistas, são motivo de frequentes campanhas de atendimento populacional que visam resolver problemas pontuais.”

De acordo com o especialista, a atenção com a saúde ocular deve acontecer durante todas as fases da vida. Tem início na gestação, nos cuidados com a mãe durante o pré-natal, e nos recém-nascidos submetidos ao teste do olhinho, capaz de detectar, ainda na maternidade, doenças como catarata e glaucoma congênitos, tumor e outros problemas oculares. “O uso de óculos falsificados, a prescrição de óculos de grau por não médicos, o tempo exagerado de tela, a administração de medicamentos sem prescrição ou de uso caseiro, também podem levar à cegueira. Vale lembrar que é possível encontrar atendimento gratuito nos postos de saúde da rede pública, portanto, não há desculpa para não cuidar da visão.”

Molinari explica que, alguns problemas demandam maior atenção, como usuários de lentes de contato; pacientes que passaram por cirurgia refrativa; portadores de miopia; glaucoma de difícil controle; portadores de retinopatia diabética – pacientes com diabetes têm 40% de chances de ter glaucoma e 60% de desenvolver catarata –; pessoas com degeneração macular relacionada à idade (DMRI), que é uma perda progressiva da visão central, e a catarata, condição comum que ocorre com o envelhecimento. “Nestes casos, as consultas com o médico oftalmologista devem ser regulares, para acompanhamento, e não apenas visitas anuais. É possível prevenir e tratar muitas enfermidades, e quando o cuidado é iniciado precocemente, as chances são ainda maiores”, orienta.

Dados da saúde ocular

  • A estimativa mundial da deficiência visual é de 36 milhões de pessoas cegas;
  • Cerca de 217 milhões de pessoas com deficiência visual moderada ou grave e 188 milhões de pessoas com deficiência visual leve no mundo;
  • No Brasil, cerca de 3 % da população apresenta deficiência visual moderada, grave ou cegueira;
  • Muitas das causas de deficiência visual irreversível estão relacionadas ao aumento da expectativa de vida da população;
  • Na população infantil verifica-se aumento crescente de deficiências múltiplas relacionadas ao maior tempo de tela;
  • Mais de 82% de todas as pessoas cegas no mundo são maiores de 50 anos.

Garanta mais qualidade e conforto para a visão

  • Durma no mínimo oito horas por dia, menor quantidade pode causar vermelhidão ocular, vista cansada e inchaços;
  • Evite o consumo de bebidas alcóolicas, elas produzem resíduos tóxicos, o que favorece o envelhecimento precoce das células oculares, além da desidratação;
  • Tenha alimentação balanceada. A ingestão de vegetais verdes escuros é indicada, pois eles fornecem vitaminas benéficas para a retina;
  • Não esqueça os óculos escuros com proteção ultravioleta (UV). A luz UV é prejudicial às células da retina, causando o envelhecimento precoce delas. A incidência de raios UV nos olhos podem provocar catarata precoce e desenvolvimento de doenças degenerativas da retina;
  • A baixa umidade do ar causa irritação, ardência e vermelhidão ocular. Ventiladores e ar condicionados devem ser evitados, pois ressecam ainda mais os olhos. Neste caso, o uso de colírios lubrificantes, conhecidos como ‘lágrimas artificias’ é fundamental;
  • Se você precisa de óculos de grau, não deixe de usá-los. Eles evitam problemas oculares e incômodos, como dores de cabeça e cansaço das vistas;
  • Realize consultas oftalmológicas periódicas;
artigo escrito por Valério Ribeiro, Diretor e Assessor Jurídico da SMO

São comuns discussões havidas na via judicial decorrente de eventos adversos na área da saúde, especialmente os erros de procedimento na condução do ofício praticados por médicos nas mais variadas especialidades. Mais comum ainda é o fato que alguns profissionais desconsideram a importância e a relevância de colher de seu paciente o termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE), negligenciando, assim, a boa prática da medicina. Afinal, qual a relevância e a finalidade desse documento?

O TCLE é um documento assinado pelo paciente ou seu representante legal declarando ter recebido de seu médico assistente todas as orientações e informações referentes ao procedimento a que será submetido. No TCLE é descrita a indicação do tratamento, a possibilidade de intercorrências e suas consequências, caso ocorram, e a concordância do paciente em ser tratado e submetido aos cuidados do seu médico.

Costumamos dizer que esse documento é uma via de mão dupla. Enquanto demonstra ter sido o paciente informado e esclarecido sobre seu tratamento, cumprindo o dever da correta informação por parte do prestador de serviço, ele também assegura o profissional da área médica e certifica seu zelo e preocupação de que seu paciente foi devidamente orientado de seu quadro e dos riscos dele decorrente.

Do ponto de vista do assistido ou de seu representante legal, assinar esse documento declara e atesta que o médico foi zeloso ao discorrer e descrever sobre o tratamento e seus possíveis riscos. Eventualmente, em caso de demanda judicial, o paciente não poderá dizer que não foi comunicado ou orientado a respeito de seu quadro clínico.

Do ponto de vista do médico assistente, é importante ter esse documento como demonstração de que o paciente foi devidamente orientado e não poderá dizer que não sabia da possibilidade de intercorrência ou de qual tratamento lhe seria aplicado. Em se tratando de paciente menor ou incapaz, o TCLE deverá ser assinado por seus pais ou responsáveis.

São infindáveis as discussões sobre eventos adversos em saúde que deságuam em situações de demonstração sobre a correta informação que o paciente recebeu ou deveria ter recebido. Dentre as várias modalidades de erros médicos, é comum o profissional não conseguir demonstrar que de fato orientou corretamente seu paciente que, não raras vezes, declara desconhecer as circunstâncias que envolviam seu tratamento. Por certo, o TCLE afasta qualquer divergência nesse sentido, trazendo mais confiabilidade e segurança na relação médico paciente.

Volta às aulas requer atenção dos pais e responsáveis quanto à visão de seus filhos e uma consulta de rotina com o médico oftalmologista

A saúde ocular infantil é primordial para o desenvolvimento das crianças seja em casa, na escola e/ou outros ambientes que frequenta. Com o retorno às aulas, a Sociedade Mineira de Oftalmologia (SMO), em parceria com a Associação Médica de Minas Gerais (AMMG), alerta pais e responsáveis para que se atentem sobre como está a visão dos filhos e que os leve ao médico oftalmologista para consulta de rotina.

O Ministério da Saúde (MS) aponta que 30% das crianças em idade escolar apresentam algum tipo de ametropia (erro de refração ocular que dificulta a nitidez da imagem na retina). Os especialistas afirmam que até a adolescência, miopia, hipermetropia e astigmatismo são os erros refrativos mais comuns. Eles comprometem a formação do foco das imagens e são detectados em cerca de 20% das crianças com idades entre 5 e 9 anos, segundo o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO). De 3% a 10% desse grupo precisam usar óculos, conforme a instituição. Em 2018, o CBO levantou que a prevalência da cegueira é de 0,6 a cada 1.000 crianças.

De acordo com o diretor da SMO e da AMMG, Luiz Carlos Molinari, mesmo que não haja queixas, o ideal é que a criança seja levada ao especialista pelo menos uma vez ao ano. “Observar o comportamento dos filhos ajuda muito a identificar possíveis problemas oculares. Os sinais podem ser: aproximar demais os objetos do rosto; tropeçar com frequência e esbarrar em tudo; sentar muito perto da televisão; ter dores de cabeças constantes; lacrimejar excessivamente; vermelhidão; entres outras coisas”, explica.

Molinari avalia que quando não se enxerga bem, o aprendizado é comprometido assim como o relacionamento com os colegas de classe e com os professores. “Sem ver direito as anotações no quadro ou os livros, a criança fica atrás das outras na hora de aprender. Além do olhar de quem cuida, os docentes também podem ajudar avaliando o desempenho e como os pequenos se comportam em sala de aula”, completa. Para ele, ações como diminuir o uso de telas, notar diferenças no modo de agir e visitas periódicas ao médico oftalmologista são a chave para cuidar das doenças oculares na infância.

Ele esclarece que no dia a dia algumas medidas são simples e contribuem para evitar doenças oculares. “Mantenha os olhos sempre higienizados, utilize óculos de sol, bonés, chapéus, para proteger do vento e das ações de raios UVA e UVB e evite coçá-los com frequência. No caso de olho seco, o profissional pode indicar lubrificantes oculares, ou lágrimas artificiais adequadas. Evite automedicação, como colírios contendo corticoides, que podem aumentar a incidência de catarata ou glaucoma. Mediante qualquer queixa, como dor, sensação de areia, olhos vermelhos ou falhas na visão, procure um oftalmologista.”

O diretor da SMO destaca que é possível prevenir e tratar muitas enfermidades e quando o cuidado é iniciado precocemente as chances são ainda maiores. “Friso ainda que o exame é um ato médico e só deve ser realizado pelo oftalmologista.”

A Doença do Olho Seco é um dos diagnósticos mais prevalentes nas clínicas de oftalmologia. Recentemente, foi reconhecida como um problema de saúde pública global, pois traz muitas consequências, desde restrições às atividades de vida diária até custos econômicos de abordagem. Os estudos epidemiológicos dos Estados Unidos identificaram a condição em 5%–30% da população, o que a torna mais prevalente que o diabetes (10,5% da população dos EUA), doenças cardíacas (7% da população dos EUA) e câncer (3% da população dos EUA). É uma doença multifatorial do filme lacrimal pré-ocular com possível dano à superfície ocular. Os sintomas de olho seco variam de simples irritação transitória a desconforto persistente, fadiga, distúrbio visual e instabilidade do filme lacrimal.

Além disso, descobriu-se que sintomas oculares graves estavam associados a dificuldades no funcionamento social, físico e mental. Várias implicações socioeconômicas podem resultar de sintomas de olho seco, como aumento dos custos com cuidados de saúde e diminuição das medidas de qualidade de vida, como dirigir, assistir televisão, usar telefones celulares, ler, trabalhar no computador e bem-estar emocional. O tratamento do olho seco nos EUA foi estimado em US$ 700.000 por milhão de pacientes. Além disso, o custo anual total relatado varia de US$ 270.000 na França a US$ 1,10 milhão no Reino Unido por 1.000 pacientes.

No século 21, muitos comportamentos ambientais se desenvolveram, incluindo o tabagismo e a disseminação de tecnologias como smartphones e computadores. Além disso, a expectativa de vida humana média aumentou e, assim, as doenças crônicas e a ingestão de medicamentos se expandiram. Esses fatores podem ter sido atribuídos ao aumento da porcentagem da síndrome do olho seco em todo o mundo.

Fatores ambientais como poluição, clima e níveis de umidade estiveram ausentes em todos os estudos incluídos nesta revisão sistemática. No entanto, eles foram relatados em outros estudos. Além disso, outros fatores comprovadamente têm uma correlação com o Olho Seco como ômega3, doenças do tecido conjuntivo, radioterapia e deficiência de vitamina A não foram avaliadas.

O sexo feminino parece ser o fator de risco mais eficaz e isso é apoiado por muitos estudos. A alta prevalência de Olho Seco entre as mulheres pode estar relacionada aos efeitos hormonais nos quais os hormônios sexuais, especialmente os andrógenos, afetam as glândulas lacrimais, glândulas meibomianas, densidade de células caliciformes conjuntivais e sensibilidade da superfície ocular. No entanto, dois estudos não encontraram qualquer ligação entre sexo e Doença do Olho Seco, mas sua pesquisa foi restrita a idosos, quando os níveis de andrógenos são baixos em ambos os sexos.

Embora a idade tenha sido significativa apenas em 3 estudos, muitos estudos anteriores relataram sua implicação, pois com o envelhecimento a função da glândula lacrimal reduz e, portanto, aumenta os sintomas de olho seco. Por outro lado, prevalência semelhante entre os jovens em comparação com idosos pode estar associada ao uso de lentes de contato, aumento do uso de computadores e smartphones e cirurgias refrativas, todas associadas ao Olho Seco em muitas pesquisas. Além disso, doenças sistêmicas da população de idade avançada e declínio da sensibilidade ocular podem fazer com que eles subestimem a secura ocular. Os achados dessa revisão sistemática foram consistentes com outros estudos sobre lentes de contato e importância do uso do computador. Um estudo realizado na Austrália não mostrou associação entre lentes de contato e Doença do Olho Seco. Apesar disso, o tabagismo e o álcool não foram fatores de risco significativos na maioria das pesquisas realizadas; alguns estudos relataram sua significância.

Na categoria doenças, anormalidades da tireoide e hipertensão parecem ser fatores de risco para sintomas de olho seco. Vários fatores considerados no olho seco na doença da tireoide: Exoftalmia, lagoftalmo e fissura palpebral aumentada e essa correlação foi estabelecida em. No entanto, há ambiguidade na relação entre tireoide e Olho Seco na literatura. Em relação à hipertensão, aqueles que foram tratados para hipertensão são mais propensos a desenvolver sintomas de olho seco.

Apesar de apenas um estudo incluído nesta revisão ter provado a significância entre medicamentos para hipertensão e Olho Seco, isso foi relatado no estudo de saúde do médico. O diabetes mellitus não foi considerado fator de risco nesta revisão sistemática, o que pode ser explicado pelos resultados de um estudo recente no qual revelou que 65,3% dos diabéticos apresentam neuropatia periférica e redução da sensibilidade corneana leve a grave, os fez subestimar seus sintomas de olho seco. No entanto, o estresse e a artrite não foram comprovados como fatores de risco fortes nesta revisão, muitos estudos demonstraram sua forte correlação com os sintomas de olho seco.

Antidepressivos e anti-histamínicos foram os indicadores mais fortes para sintomas de Olho Seco na categoria de medicamentos. O antidepressivo apresentou-se para aumentar o risco de Olho Seco e é apoiado por outros estudos. O epitélio conjuntival humano contém receptores muscarínicos e adrenérgicos, portanto, há credibilidade biológica de que os medicamentos antidepressivos afetam a superfície ocular. Da mesma forma, anti-histamínicos e esteroides foram associados ao olho seco e muitos estudos estabeleceram esses resultados.

Portanto, o reconhecimento precoce e a prevenção são importantes para reduzir a carga de consequências do olho seco. Por exemplo, a prevenção primária por meio da educação e da eliminação dos fatores de risco pode melhorar os sintomas. Assim, pode reduzir problemas emocionais, psicológicos e funcionais desnecessários.

Atualmente, há uma falta de conhecimento sobre os fatores de risco mais importantes para a secura ocular. Este problema está se tornando importante em todo o mundo, especialmente com o aumento do uso de tecnologia, smartphones, computadores e lentes de contato. Sexo feminino, lentes de contato, uso de computador, anormalidades da tireoide, hipertensão, antidepressivo e anti-histamínico foram identificados como os fatores de risco mais fortes e comuns para a Síndrome do Olho Seco.

De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), a cada 100.000 pessoas no mundo, de 4 a 600 delas desenvolvem o ceratocone. Também conhecido como distrofia contínua e progressiva, o ceratocone é uma doença que afeta a córnea, parte transparente do olho, deixando-a mais fina e menos resistente. Com a pressão intraocular constante sobre ela, ocorre uma modificação na sua espessura e formato, que adquire uma aparência “pontiaguda”.

Sua maior incidência ocorre na adolescência, entre os 13 e 18 anos de idade. Em geral, afeta em 90% dos casos ambos os olhos, tanto em homens como mulheres. A doença progride aproximadamente de seis a oito anos e, depois, tende a permanecer estável.

Entre os sintomas estão: fotofobia, irritações, ofuscamento, embaçamento e/ou distorções moderadas. Na maioria dos casos, as pessoas não percebem que possuem a doença, pois esta aparece disfarçadamente, sendo, por vezes, comumente confundida com miopia ou astigmatismo.

Ainda não se sabe a causa da doença, mas acredita-se que seja de origem hereditária e que seja resultado de diferentes condições clínicas. Desta forma, os filhos de portadores do ceratocone devem ficar mais atentos. Além disso, segundo estudos, ela pode estar associada a patologias sistêmicas como as síndromes de Down, Turner, Ehlers-Danlos e Marfan.

Como diagnosticar o ceratocone?

Em caso de suspeita da doença, o diagnóstico é feito por meio do exame oftalmológico e confirmado pela Topografia Corneana Computadorizada – exame que faz um estudo topográfico de superfície da córnea, ou seja, um retrato mais apurado da córnea. E permite obter informações quantitativas e qualitativas a seu respeito por meio de um gráfico numérico e de cores. Vale lembrar que o diagnóstico precoce da doença não impede que a mesma evolua, porém quanto mais cedo o ceratocone for identificado, melhor será o resultado do tratamento. Por isso, é fundamental que se realize consultas oftalmológicas periodicamente.

Tratamento

Infelizmente, o ceratocone não tem cura. Porém existe uma série de tratamentos disponíveis para melhorar a visão do portador da doença, estabilizando o problema e reduzindo as deformidades da córnea. O tratamento adotado depende da evolução do caso. Na maioria das situações, o problema é solucionado por meio da adoção de óculos, lentes de contato ou cirurgia. Segundo estatísticas, apenas 10% dos casos evoluem para transplante de córnea.

Conheça um pouco mais sobre as principais formas de tratamentos

Óculos: Em casos mais brandos, inicialmente, o tratamento é feito com a adoção de óculos, por meio da adaptação de lentes corretivas para melhorar a visão do paciente.

Lentes de contato: O uso das lentes de contato representa, depois dos óculos, a primeira opção para a recuperação visual, uma vez que substituem a superfície irregular da córnea por uma regular, melhorando assim a percepção das imagens. Este tratamento pode ser feito tanto nos casos iniciais quanto nos mais graves da doença.

A indicação do modelo de lente a ser usado é feita pelo oftalmologista, que analisa o desenho mais apropriado para o estágio da doença do paciente. As lentes devem ser limpas e desinfetadas a cada uso e, a cada seis meses, o usuário deve voltar ao oftalmologista para fazer uma avaliação da sua adaptação. Fique atento, lentes mal adaptadas podem favorecer a progressão do ceratocone e/ou causar perdas de transparência na córnea.

Cross-linking: É um tratamento por meio do qual se expõe a córnea a uma combinação de radiação ultravioleta (UV-A) e vitamina B2, produzindo um aumento nas ligações entre as fibras de colágeno, fortalecendo toda a estrutura da córnea. É indicado para pessoas que apresentam boa visão com uso de óculos ou lentes de contato, com o ceratocone não muito avançado e que tenham apresentado evolução da doença. A função deste tratamento não é reduzir o ceratocone, mas parar a evolução, evitando a progressão da mesma, ocasionando a sua estabilização.

Anel intracorneal ou cirurgia de ceratocone: Indicado no estágio moderado do ceratocone, corresponde ao implante cirúrgico de anéis ultrafinos, que funcionam como um esqueleto que remodela e diminui a curvatura da córnea, tornando a sua superfície mais regular. Os mais utilizados são os Anéis Intraestromais. Trata-se de uma técnica reversível, sem danos à córnea e não refrativa, ou seja, após o procedimento os pacientes continuarão precisando usar óculos ou lentes de contato para melhor qualidade visual.

Transplante de Córnea: Indicado apenas como último recurso, em pacientes que apresentam ceratocones em estágios avançados, o transplante de córnea consiste na substituição de toda (transplante penetrante) ou de parte (transplante lamelar ou endotelial) da córnea. Apenas uma minoria dos portadores da doença necessita fazer o transplante, que embora tenha uma recuperação mais lenta se comparada aos outros tratamentos, oferece uma importante melhora no quadro. A cirurgia é realizada com anestesia geral, sedação ou anestesia local – dependendo da condição clínica – e o paciente recebe alta no mesmo dia.

Fonte: CBO – Conselho Brasileiro de Oftalmologia

Estima-se que de 1 a 2% da população mundial convive com glaucoma. E as projeções não são muito animadoras: 111,8 milhões de pessoas podem sofrer com a doença em 2040. Diante deste cenário, é urgente que sejam adotadas medidas que ampliem o conhecimento sobre glaucoma junto à população, que promovam o diagnóstico precoce, especialmente entre o grupo de risco, e que garantam o acesso ao tratamento adequado a fim de evitar complicações, uma vez que a doença é a principal causa de cegueira irreversível em todo o mundo.

Esse é o objetivo do 24h pelo Glaucoma, uma grande mobilização em torno da doença, realizada on-line em conjunto com a Sociedade Brasileira de Glaucoma e com o apoio de diversas empresas.

Anote esta data: será no dia 21 de maio de 2022, das 9h às 17h, nas redes sociais oficiais do CBO.

Participe!

 

Dentre os problemas graves advindos com a doença está a retinopatia diabética, que pode levar à cegueira

O Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) e a Sociedade Mineira de Oftalmologia (SMO), tentam estimular a população a entender melhor a diabetes e os graves problemas que ela pode causar no olhos, dentre eles, o glaucoma, a catarata e a retinopatia diabética que, se não identificados e tratados precocemente, podem levar à cegueira.

De acordo com dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil existem aproximadamente 16 milhões de pessoas com diabetes. A retinopatia diabética (RD) é uma das principais causas de perda visual grave. Afeta cerca de 30 milhões de indivíduos em todo o mundo e pode ser prevenida com rastreamento, detecção e tratamento oportunos. Entretanto, mesmo em países de alta renda, o acesso a exames oftalmológicos anuais é limitado a apenas um terço a metade dos adultos com diabetes, deixando um número substancial de pacientes em risco.

Ainda segundo a OMS, uma em cada 11 pessoas no mundo convive com diabetes. No Brasil, em um intervalo de 10 anos, houve um aumento de 60% no diagnóstico da doença, sendo 16 milhões de pessoas com diabetes. Na última Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico, publicada em maio de 2020, no período entre 2006 e 2019 a prevalência de diabetes passou de 5,5% para 7,4%. A situação é grave e é importante que medidas de conscientização e prevenção sejam adotadas em caráter de urgência, segundo especialistas.

Segundo o diretor da SMO, Luiz Carlos Molinari Gomes, uma das principais complicações do mau controle do diabetes, é a retinopatia diabética. Cerca de 35% a 40% dos quatro milhões de brasileiros com retinopatia tem diabetes. O problema é causado pelo índice elevado de glicemia que degenera a retina e é a principal causa de cegueira irreversível em pacientes com diabetes.

De acordo com o Relatório Global da OMS, em 2014, há no mundo 146 milhões de adultos com esta doença ocular. Ela é responsável por 4,8% dos 37 milhões de casos de cegueira, o que equivale a 1,8 milhão de pessoas mundialmente. “As altas taxas de glicemia degeneram a retina e, com o tempo, a visão pode ser afetada, sendo a principal causa de cegueira.”

Um dos grandes problemas para a alta dos números tanto da diabetes quando da retinopatia diabética, segundo Molinari, é que a procura por exames, durante a pandemia, caiu drasticamente. Segundo levantamento do CBO, publicado no ano passado, entre janeiro e maio de 2020, o número de atendimentos caiu 36%, quando comparado com o mesmo período de 2019. Foram realizadas 2,5 milhões de consultas em 2020, contra 3,9 milhões em 2019. O oftalmologista explica que a diabetes é uma das principais causas de cegueira em pessoas em idade produtiva, dos 20 aos 60 anos, sendo que cerca de 90% dos casos poderiam ser evitados, com diagnóstico precoce e tratamento adequado.

Além de sensibilizar as pessoas sobre os riscos da retinopatia diabética, o CBO e a SMO se unem para educar as pessoas para que mudem seus hábitos e consigam controlar as taxas de glicemia, além de alertar para a importância da ida ao oftalmologista regularmente para realizar os exames preventivos de visão.

Entenda mais sobre a Retinopatia Diabética

  • É uma doença silenciosa. O paciente deve fazer exames oftalmológicos regulares e procurar um especialista caso tenha o diagnóstico de diabetes;
  • É caracterizada por uma lesão nos pequenos vasos sanguíneos que nutrem a retina, a região do olho responsável pela formação das imagens enviadas ao cérebro, formando a visão. A doença ocorre quando os níveis de glicose no sangue estão muito elevados, o que propicia dilatações e rompimentos das veias;
  • É a maior causa de cegueira em adultos e pode afetar jovens, adultos e idosos. Estima-se que 90% das pessoas com Diabetes tipo 1 e 60% das pessoas com a tipo 2 possam desenvolver a Retinopatia Diabética;
  • A pessoa passa a ver pontos ou manchas fluentes, tem dificuldade de distinguir cores e enxergar à noite;
  • Nos casos leves, a retinopatia diabética e o edema macular diabético são tratadas com o controle do diabetes, por meio da reeducação alimentar e o uso de insulina;
  • Casos mais graves necessitam de outros tratamentos, podendo haver a regressão da doença e a visão pode ser recuperada. Mas quanto maior a demora na intervenção, maior a degeneração das células da retina e a perda visual se torna irreversível.

 

Créditos e Fontes: Universo Visual, CBO, AMMG e Retina Brasil

Neste dia 14 de outubro, especialistas explicam que 285 milhões de pessoas sofrem de deficiência visual moderada ou grave

 

A data, criada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), chama a atenção para os perigos à visão, como a cegueira e a deficiência visual. De acordo com o Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), são 285 milhões de pessoas que sofrem de deficiência visual moderada ou grave no mundo; 90% destas vivem em países em desenvolvimento; 65% têm mais de 50 anos e cerca de 40 milhões de pessoas são cegas. Segundo o diretor da Sociedade Mineira de Oftalmologia (SMO), Luiz Carlos Molinari Gomes, a cada cinco segundos uma pessoa fica cega no mundo e 80% da deficiência visual é evitável, podendo ser prevenida ou tratada.

Molinari chama atenção para o perigo das crenças populares ligadas aos olhos. Uma delas é a relacionada ao terçol. Diz a lenda que é possível curá-lo com auxílio de um anel quente. “Além de ser uma medida ineficaz, esse método pode agravar o problema, causando contaminação local e uma lesão ainda maior em consequência de uma queimadura. Em casos de terçol, o mais indicado é consultar o médico oftalmologista, que poderá avaliar o quadro e indicar o tratamento mais adequado.”

Outras chegam a ser engraçadas, conta o especialista, como a de tomar vento ao ‘cruzar’ os olhos pode fazer com que eles fiquem dessa forma permanentemente. O oftalmologista explica que o estrabismo ocorre quando há uma disfunção nos músculos oculares, que pode ocorrer por diversos fatores, mas não pelo vento.

No caso de dúvidas, Molinari recomenda não se arriscar. “O mais indicado é procurar um oftalmologista, nunca passar produtos caseiros e fazer o acompanhamento constante para evitar problemas futuros que podem ser perfeitamente evitáveis.”

A alimentação equilibrada e saúde combinam muito bem. Incluir frutas, legumes e verduras nas refeições é a melhor forma de obter os nutrientes fundamentais para o bom funcionamento do organismo. No entanto, o consumo de vitaminas por si só não é capaz de curar problemas de visão. Diante de qualquer alteração, é importante consultar um médico oftalmologista, para que ele possa avaliar o quadro e orientar quanto ao tratamento mais adequado.

Já algumas doenças oculares podem ser controladas com remédios e tratamentos, especialmente, como medidas preventivas. A catarata, porém, não é um desses casos. Se você já ouviu que alguém curou a catarata com remédios ou outros tipos de tratamento, atenção! De acordo com os médicos oftalmologistas e com o CBO, o único tratamento para a catarata é a cirurgia.

Exercícios físicos e saúde ocular: há alguma relação?

Quando se fala em exercícios físicos, logo relacionamos à perda de peso, ao aumento da resistência e ao ganho de massa muscular. Mas a prática também faz bem à saúde dos olhos. Pesquisas apontam que a eles podem ajudar na prevenção de algumas doenças oculares, como retinopatia diabética, glaucoma, Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI), ceratocone, catarata e miopia. Mas é importante ficar atento a alguns cuidados pois a prática esportiva é o quarto colocado no ranking de motivos de lesões oculares.

  • Evite tocar nos olhos com as mãos sujas para prevenir infecções e lesões. É comum que o suor comece a escorrer pela testa. Mantenha uma toalha limpa por perto para se secar;
  • Óculos de sol com lentes de filtro UV devem ser usados por quem pratica esportes e atividades ao ar livre, exposto ao sol. Também é importante o uso de chapéu ou boné;
  • Os óculos de grau tornam-se perigosos durante a prática de certos exercícios físicos. Em atividades de alto impacto e velocidade, quando acontece uma colisão, os óculos podem gerar fragmentos e levar a cortes e lesões graves. O ideal é usar lentes de contato ou modelos próprios para a prática;
  • No futebol, evite cabeçadas e invista em equipamentos de proteção. Impactos muito fortes podem gerar o deslocamento de retina e lesões oculares.

Saiba mais sobre os problemas mais comuns da visão

  • Miopia – Dificuldade para enxergar o que está longe;
  • Hipermetropia – Dificuldade para enxergar o que está perto;
  • Astigmatismo – Dificuldade para enxergar, independentemente da distância
  • Ambliopia – Diminuição da capacidade visual que acontece, principalmente, pela falta de estímulo ao olho durante o desenvolvimento da visão;

Estrabismo – Desequilíbrio na função dos músculos oculares, fazendo com que os dois olhos não fixem o mesmo ponto ou objeto ao mesmo tempo. Pais e professores devem ficar atentos aos sinais de que a criança pode ter alguma dificuldade para enxergar e buscar ajuda médica o mais rápido possível.

 

Fonte: Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO)

CALENDÁRIO

Fevereiro 2024
DSTQQSS
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
  
< Jan Mar >